Caminhadas x Diabetes

Caminhadas regulares dão aos diabéticos uma vantagem na saúde

Os diabéticos enfrentam mais que restrições alimentares para regular sua doença. Em alguns casos, os diabéticos apresentam aumentam o risco de perder um dedo, pé ou perna. Aqui está o porquê:

Ao longo do tempo, níveis elevados de açúcar no sangue - um problema para os diabéticos - podem danificar os vasos sanguíneos e torná-los mais propensos a estreitar. Os diabéticos também podem ser propensos a hipertensão e obesidade, os quais também podem contribuir para obstruções arteriais, aumentando o estresse nas artérias das pernas.

"Esta doença ocorre quando a placa se acumula nas artérias e evita que sangue rico em oxigênio atinja todas as partes do corpo", explicou o Dr. Bruce A. Perler, presidente da Society for Vascular Surgery (SVS). "O mesmo processo de obstrução da artéria que causa acidentes vasculares cerebrais e ataques cardíacos também causa doença arterial periférica, que os médicos frequentemente chamam de Doença Arterial Obstrutiva Periférica (DAOP) . Se não forem tratados a tempo, os pacientes podem sofrer graves danos nos pés e pernas se os vasos bloqueados não levarem sangue rico em oxigênio suficiente para essas áreas ".

 

Quais são os sintomas da DAOP? De acordo com a SVS, metade das pessoas com doença da artéria das pernas não apresentam nenhum sintoma. A outra metade pode apresentar:

• Nos estágios iniciais: um aperto, peso, cólicas ou fraqueza na perna com caminhada, que pode desaparecer com o repouso, ocorrendo com mais frequência ao caminhar até um morro ou subir um lance de escadas.

• Com DAOP moderada: dor nos pés mesmo em repouso, tipicamente durante a noite na cama.

• Em casos graves: feridas dolorosas nos pés. Se a circulação não melhorar, essas úlceras podem tornar-se crônicas, ficarem pretas e eventualmente desenvolver gangrena. A amputação pode ser o último passo.

 

Uma das melhores coisas que alguém em risco de DAOP - e especialmente pacientes com diabetes - pode fazer é andar o mais rápido possível, disse Perler. A caminhada estimulará as pequenas artérias das pernas a aumentar e melhorar o fluxo sanguíneo, disse ele. Se receber a aprovação do médico para realizar exercícios, basta andar 30 minutos, três a quatro vezes por semana, para começar a melhorar a saúde das pernas. Se ocorrer desconforto nas pernas, deve-se parar e, quando a dor desaparecer, comece a andar de novo. É muito importante saber que a dor que ocorre com a caminhada não causa nenhum dano à perna.

Algumas pessoas que estão em risco de doença arterial nas pernas tendem a evitar caminhar. Para eles, essas sugestões podem ajudar:

1. Programe passeios regulares com um amigo, vizinho ou cônjuge. Uma vez que a atividade está programada e seu companheiro(a) está esperando, ignorar o compromisso é menos provável. 

2. Tenha um destino específico. Caminhe até um parque, igreja ou mercearia.

3. Quando a perna começa a doer durante o esforço, deve-se parar e descansar por alguns minutos até que a dor se alivie e, em seguida, continuar caminhando. Lembre-se, nenhum dano está ocorrendo na perna quando essa dor ocorre.

4. Procure um especialista vascular que olhe para todas as opções, e não apenas a cirurgia, disse Perler. Ele aconselha os pacientes a ter certeza de se consultarem com um profissional especializado no tratamento de todas as doenças vasculares, com certificação em cirurgia endovascular e convencional, caso uma intervenção seja necessária.

 

Extraído de https://vascular.org/news-advocacy/regular-walks-give-diabetics-leg-health; 05/11/2015.